quinta-feira, 22 de setembro de 2016

EU ME AMO, EU ME AMO, NÃO POSSO MAIS VIVER SEM MIM!!!!



Boa Tarde!

Tem muito tempo que eu não venho aqui conversar com vocês, não é mesmo? Não foi falta de interesse, não, Gente! Muito pelo contrário! Meu Instagram “bombou” de fotos porque, como não tinha tempo de escrever, eu postei várias fotos pra quem gosta de me acompanhar.

Então... Primeiro de tudo, eu preciso dizer que eu não tenho vindo aqui este tempo todo porque eu tenho trabalhado pacas... Além de ser mãe e esposa, sou filha, amiga, trabalho no Ministério Infantil da Igreja, sou síndica do local que moro, sou advogada, faço bolos pra vender e, agora, também faço doces. Pois é! 30 horas em um dia seria pouco pra mim!

Além disso tudo, precisei de um tempo pra mim. Pois é. Levei 35 anos pra olhar para o espelho e falar: “Caraca, mulher! Você é linda! Vamos começar a cuidar de você?!”. É isso aí mesmo que você está lendo! Levei 35 anos pra me conhecer e me amar!

Ao longo dos anos, eu mudei muito. Não só fisicamente, mas emocionalmente. Mas, uma coisa nunca havia mudado: a minha necessidade de ser “aprovada” pelos outros. Sejam meus pais, meu marido, meus amigos, meus filhos, meu vizinhos, a pessoa que passava do meu lado ou aquele que visitava meu espaço. A opinião do outro sobre mim era demasiadamente importante. E se eu não gostava de algo, bom.. Era problema meu!
35 anos! Muito tempo, né?! Mas a hora chegou!

Primeiro, eu olhei pro espelho e vi que sou bonita. Não sou magra (muito pelo contrário! Rsrsrsr), tenho cabelo ondulado, olhos castanhos, marcas de expressão no rosto.... E daí? Sou mulher e sou linda! Sou gostosa e ponto final! Não me acha linda? Só posso dizer que sinto muito por você! Porque EU DECIDI ME AMAR! Do jeitinho que sou.

Então, isso significou grandes mudanças em mim também. 

Nunca liguei muito para a roupa que eu usava (mesmo no trabalho), maquiagem, perfume, cabelo branco e coisas do gênero.... Muitas vezes, nem brinco eu usava... Já usei blusa furada pra ir à padaria ou na esquina comprar sei lá o quê!

Isso mudou!

Hoje, a Bianca não sai de casa sem um lápis no olho, rímel nos cílios e batom na boca (ta, dispenso os dois primeiros itens se eu for só na esquina! Rsrsrsrs). Creme para os cabelos? Vááários! Perfumes? Alguns. Batons? Uns poucos? No quesito roupas a mudança foi mais lenta porque não há verba pra uma mudança total e radical do dia para a noite.

A alimentação também mudou... Pra quem não comia qualquer legume ou verdura, almoçar batata doce com feijão e carne, ou tomate com cenoura e frango já é troféu! A consulta com a nutricionista já foi marcada. Não estou falando em emagrecer: estou falando em SER SAUDÁVEL!!!!

E se amar! Independentemente do seu peso, da sua cor, do seu cabelo, do seu corpo, da cor dos seus olhos, da celulite, da estria e de todas as outras coisas que você possa vir a colocar como empecilho para seu amor por você!

A mudança tem que vir de dentro. Porque, caso contrário, será tão provisório, que vai murchar logo e o brilho vai apagar em breve. Acenda a fogueira do amor por você e não permita que nada, nem ninguém, apague este fogo.  

PERMITA-SE AMAR A VOCÊ! Não importa como você esteja hoje. Vá mudando aos poucos, como eu. Se for necessário um período distante de determinadas coisas, suma! Dê este presente a você! Dê o seu amor a alguém extremamente importante pra sua felicidade: você mesmo(a)!!!

Eu levei 35 anos!!! E espero que você leve bem menos tempo que isso!

No mais, se quiser falar comigo, manda um e-mail, um sinal de fumaça, sei lá! Estou aqui pra ajudar no que for necessário!

Beijoooooooooooooo, tchau!



quinta-feira, 30 de junho de 2016

QUAL A MELHOR DIFERENÇA DE IDADE PARA OS FILHOS

Oi, Pessoas!

Eu não sei se vocês sabem, mas eu tenho um casal de irmãos mais novos. Minha diferença de idade para o meu irmão é de 11 meses. Já a minha diferença para a minha irmã é 07 anos. Pois é! Tenho os dois extremos!

Não lembro como eu reagi com a chegada do Bruno. Eu ainda ia fazer 01 ano quando ele chegou. Minha mãe conta que eu o protegia muito. Mas, pra ser bem sincera, eu só lembro da fase depois, quando já tínhamos uns 6,7 anos até a adolescência. Brigávamos MUITO! Mas muito mesmo! Era cão e gato total!!! Eram agressões físicas e verbais. Foi uma fase bem difícil e que, graças a Deus, passou!

Quando a Lu chegou, foi diferente. A gente pedia muito um(a) irmãozinho(a) pra minha mãe. Então, quando ela veio, foi só alegria. É claro que rolou uns estresses à medida que ela crescia e nós também. Mas ela sempre foi paparicada. Ela sabe disso!

É claro que sempre teve, aqui em casa, aquelas acusações pros pais: "você gosta mais de fulano do que de mim". E aquela de eu dizer pra Lulis que ela foi achada na lata do lixo (gente, um dia eu conto essa história... Ela chorou HORRORES por conta disso!). Mas, no geral, brigávamos como qualquer grupo de irmãos. Mas, como eu disse, sempre tive mais atritos com o Bruno que com a Lu.

Só pra constar: Hoje, com os 03 já adultos, a situação é BEM diferente. Somos muito, mas muito amigos e muito unidos. Se mexer com um, aqui, está mexendo com os três. Está arrumando encrenca com todos nós. Todos vibram com a vitória de um e todos choram quando um está triste.

Enfim!

Quero falar da minha experiência como mãe de dois.

Quando eu engravidei, a Juju queria uma irmãzinha. Ela ficou muito decepcionada quando soube que ia ganhar um irmão. Mas, com o passar do tempo, aceitou melhor a idéia. Até porque eu comecei a envolvê-la em toda a situação. Pedia ajuda na hora de escolher uma roupinha, uma manta e, na hora de fazer a mala da maternidade, ela escolheu cada conjuntinho.

No dia que João chegou, ela ficou eufórica! E, NUNCA, em nenhum momento, demonstrou ter ciúmes dele. O que ela sempre demonstrou foi ciúmes da atenção que dispensávamos a ele. Na verdade, o ciúmes sempre foi a atenção que qualquer um dispensava ao João e não a ela.

Então, ela não ligava se você vinha aqui em casa e trazia um presente só para o João (acho que eu que ficava mais decepcionada que ela!). Ms era ela quem tinha que abrir o presente do João. Outra coisa: se a pessoa desse muita atenção ao João, ela fazia coisas para chamar a atenção da visita ou começava birra com a intenção de chamar a atenção para ela.

Já ouvi histórias de crianças que batem no bebê, que puxam cabelo dos bebês ou batem. Juju nunca machucou o João de propósito. Uma vez ela o mordeu forte. Mas não foi por maldade. Ela foi brincar de dar aquela mordidinha de mentirinha e não resistiu a gostosura. Acabou mordendo. Mas ela chorava tanto e pedia tantas desculpas por não ter se controlado que eu nem tive como brigar sério com ela.

Fora isso, ele é o xodó dela. E ele é completamente APAIXONADO pela irmã! Quer ver o João fazer festa é escutar a voz da Juju ou vê-la! Nossa! Ela consegue arrancar dele as melhores e mais gostosas gargalhadas. Ele a beija e abraça o tempo todo. Quer copiá-la em tudo e ir aonde ela esteja!

Então, quando me perguntam se a melhor diferença de idade é 2, 3, 4, ou 10 anos, a minha resposta é: DEPENDE. Depende do temperamento do seu(sua) filho(a), depende se vocês estão preparados para ser pais novamente, depende de como você vai lidar com o mais velho(a) durante a gravidez. Depende de "n" fatores que eu não tenho controle.

Cada família é de uma forma porque ninguém é igual ao outro! Não existe essa de "a melhor diferença de idade" entre irmãos é de "x" anos... "Ah, porque crescem juntos", "Ah, porque quando os dois param com as fraldas juntos", "Ah, porque brincam juntos"... Eu e Bruno tínhamos quase a mesma idade e não brincávamos juntos. Pelo contrário! Brigávamos muito e ele até cortou o pé do único "Ken" que eu tinha! Já com a Lulu, eu brinquei muito.

Por isso, digo e repito: a melhor idade e o melhor momento é aquele em que os pais se sentem prontos. Porque a criança pode receber bem a notícia da chegada de um bebê ou não. E caberá aos pais lidar com toda esta situação.

Portanto, se estão querendo um 2º, 3º, 4º filho (ou mais!), conversem sobre como isso mudará a vida de vocês e a melhor forma de lidar com os outros filhos. Tenho certeza que, juntos, chegarão a melhor solução!

Boa semana!


segunda-feira, 20 de junho de 2016

OS DOIS LADOS DA MOEDA OU DA MORDIDA?

Você sabia que a criança inicia seu aprendizado pela boca?

É por esse motivo que tudo o que pega vai direto à boca. Não importa quantas vezes você a repreenda, ela continuará a experimentar tudo, e isso é natural e, de certo modo, saudável, uma vez que a faz adquirir imunidade.

Assim, a mordida entra na vida da criança. Geralmente, a primeira experiência se dá no seio da mãe e, logo após, com os brinquedos. Tudo acontece com o objetivo de sentir e explorar a textura, a forma, o gosto do mundo que a cerca.

Mas, de repente, o problema surge: o “nhac” em um coleguinha! A mordida é uma situação muito embaraçosa para ambas as famílias: a do que morde fica sem saber como agir e a do mordido, muitas vezes, age impulsivamente, ensinando a criança a revidar.

O que fazer? Como agir?

Primeiramente, precisamos compreender os motivos que levam a criança a morder. Abaixo, algumas causas estão listadas:

- Até os 3 anos, geralmente, as mordidas estão relacionadas à disputa de brinquedos, pois como a criança ainda não consegue expressar com clareza o que sente, usa a ferramenta que tem (dentes) para conseguir o que quer e, assim, se livrar facilmente da situação incômoda.

- Nem toda mordida está relacionada a disputas e brigas; quando a criança gosta muito de alguém e não consegue expressar-se, pode vir a morder também.

- Logo após a primeira mordida, a criança percebe que pode comunicar descontentamento com ela ou, simplesmente, pode utilizá-la para chamar a atenção dos adultos.

- Outro motivo para as “abocanhadas” pode ser a simples imitação. Muitos adultos brincam com as crianças de dar “mordidinhas”, expressando com elas o quanto gostam da criança. Esta, por sua vez, reproduz o comportamento; porém, sem a noção da força que deve ser utilizada na brincadeira.

Assim que a criança vai se apropriando da linguagem falada, é esperado que a mordida vá ficando de lado. Porém, existem algumas medidas que auxiliam a diminuir a incidência dessa situação. Leia-as a seguir:

1. Ajude a criança a expressar os sentimentos que geraram a mordida. Se ela negar a falar, incentive-a com perguntas. Mas, não responda por ela.

2. Valorize e dê importância também aos comportamentos positivos.

3. Quando presenciar a mordida, não faça escândalos e nem dê sermões demorados; será melhor se abaixar na altura da criança e falar firmemente: “Isso dói!”; “Não pode!”.

4. Pesquisas apontam que não há relação entre as crianças que mordem e adultos violentos. Precisamos encarar essa como mais uma fase do desenvolvimento infantil.

Você pode estar pensando: Mas, e o meu filho? Ele sempre será o mordido?

Com certeza, as marcas da mordida no seu pequeno doem muito mais em você do que nele mesmo. É preciso calma para resolver a situação! Compreenda que a criança que morde não o faz porque é má e que, na vivência em grupo, é normal que isso aconteça. Logo, logo, seu filho irá descobrir como se defender e se impor aos coleguinhas. Não incentive a agressão e o revide. Oriente a criança a expor a insatisfação e a dor que sentiu ao ser mordida.

Você sabia que as mordidas acontecem tão rapidamente e espontaneamente na sala, que o professor, muitas vezes, não consegue evitar que elas aconteçam? Isso não significa que o professor está desatento. Toda mordida deve ser analisada no contexto em que aconteceu.

Se ainda restam dúvidas sobre o tema, converse com os professores, Coordenação, Direção ou com o pediatra do seu filho.

Aline Pinto e Jocéris Gapski Cachel

Fonte: http://nananenem.com.br/mordida.pdf



terça-feira, 7 de junho de 2016

O QUE ACONTECE QUANDO OCORRE O DIVÓRCIO?

Oi, Pessoas!

Pelo título, muitos devem pensar que eu estou em processo de divórcio. Mas não, não estou. Eu e meu marido estamos bem, graças a Deus. Por aqui, não há a menor pretensão de um processo de divórcio.

Mas, como muitos sabem, sou advogada e atuo na área de Direito de Família. E não são poucas as vezes que me questionam acerca deste assunto. As perguntas mais frequentes são sobre o tempo de processo de divórcio, alimentos, guarda e, claro! Alienação Parental!

Então, resolvi pôr aqui no blog alguns pontos básicos sobre estes assuntos. Fique a vontade para fazer suas perguntas nos comentários ou mesmo por e-mail (bianca.pessoa@gmail.com). Não cobro consulta ou respostas, ok? Se eu não souber a resposta, eu corro atrás dela!!!

* Preciso lembrar que, em alguns Estados, existem pequenas diferenças. Por exemplo: no Estado do Rio de Janeiro, nós temos a Defensoria Pública - que é o advogado que atua sem cobrar nada. Em alguns Estados do Brasil não existe Defensoria Pública. 

* Casal = cônjuges.

1 - Posso fazer o meu divórcio no cartório? Sem ter que "ir ao juiz"?

R = Depende. Caso o casal tenha filhos menores, não. É obrigatório o divórcio judicial. Até porque, nestes casos, o Ministério Público tem que opinar acerca das decisões processuais e ter ciência delas. Neste caso, o MP atuará como defensor dos Direitos dos menores, optando sempre pela melhor solução para eles. 
       Agora, caso o casal não tenha filhos, ou todos eles sejam maiores de 18 anos, sim. O divórcio pode ser feito extrajudicialmente. Lembrando sempre que, em ambos os casos, é necessária a assistência de advogado (e, extrajudicialmente não há Defensoria Pública).

2 - Temos bens e ainda não sabemos como serão divididos. Isso impede meu divórcio?

R = Em regra, não. O juiz pode determinar que a partilha seja feita posteriormente, a pedido do casal.

3 - Posso ser representada(o) pelo(a) mesmo(a) advogado(a) do meu(minha) ex?

R = Depende. Se o divórcio for consensual, sim. Não havendo conflito de interesses, não há o menor problema. O que não pode é o(a) advogado(a) favorecer qualquer uma das partes. 

4 - Serei obrigado(a) a dar pensão para minha(meu) ex?

R = Depende! Atualmente, os Magistrados estão muito reticentes à pensão alimentícia para cônjuges. Na maioria das vezes, quando um dos cônjuges deixou de trabalhar para realizar os serviços domésticos e a pessoa ainda tem idade laborativa (ou seja, tem como voltar ao mercado de trabalho), os juízes, QUANDO concedem esta pensão, ela é temporária. Ou seja, não vai viver às custas do ex-cônjuge. Provavelmente, receberá uma pensão por tempo determinado, para que volte a trabalhar.
      No entanto, quando a pessoa já tem determinada idade (pessoas mais velhas), dedicou a vida aos trabalhos domésticos e cuidados com a família, o juiz tende a determinar uma pensão vitalícia. Há exceções? Sim. Mas são bem específicas, ok?

5 - E meus filhos? Recebem pensão até quando?

R = Em regra, até os 18 anos. Mas, vamos ponderar determinadas coisas. Caso o filho seja menor de 18 anos mas, por algum motivo, seja emancipado (tornando-se capaz para os atos da vida civil), a pensão alimentícia poderá ser tirada. 
         Outra coisa, caso o(a) filho(a) esteja estudando, mesmo depois de ter completado 18 anos, a pensão alimentícia será devida. Em regra, nestes casos, a pensão vai até os 24 anos. Mas há exceções, ok?! Ela pode ir além dos 24 anos!
        Por fim, tenho que dizer que a exoneração da pensão alimentícia não é automática. Não é porque o(a) filho(a) fez 18 ou 24 anos hoje que, mês que vem não haverá pagamento de pensão. Não é assim que funciona, ok?! Tem que ser pedida a exoneração de pensão alimentícia e isso exige um processo judicial!

6 - Meus filhos ficarão com quem?

R = Isso depende de muitos fatores! Guarda é um assunto super, mega, hiper longo! Daria mais de um post, com certeza! Mas, vamos ao basicão mesmo! Temos 02 tipos de guarda: guarda material (ou física - art. 33 §1º, ECA) e a guarda jurídica. 
      A guarda material é aquela que considera a "posse" da criança. Ou seja, com quem a criança habitará ou passará momentos. Antigamente, ela era dada a um dos cônjuges de forma rotineira e eventual ao outro cônjuge. Ou seja, um dos pais ficaria com a criança e, durante os períodos de visitação, a guarda material provisória era concedida ao outro pai. Confuso, né? Falando de uma forma bem simples: guarda material é aquela em que o pai "fica" com a criança. 
      A guarda jurídica é aquela que aprecia a vida da criança como um todo: que toma as decisões da vida da criança. Atualmente, a mais aplicada tem sido a guarda compartilhada.
      Pessoas, guarda compartilhada NÃO é sinônimo de guarda material compartilhada: os filhos não viverão automaticamente na casa de um dos pais uma semana e na casa do outro pai na outra semana. Muitas vezes, isso é inviável - um dos cônjuges pode morar super longe do outro, em outra cidade, em outro Estado. Os filhos precisam de rotina e o Ministério Público sempre vai avaliar o que é melhor para os menores.
     Portanto, há diferenças entre guarda material e guarda jurídica. Não vamos confundir uma com a outra!!!
    A guarda compartilhada tem gerado muitas dúvidas e muita briga porque as pessoas não entendem exatamente o que ela significa e como funciona. Então, se quiser saber mais sobre ela, me pergunta... Senão o post vai ficar super gigante!

7 - Quanto eu vou pagar de pensão?

R = Ih, amigo(a)! Isso aí é uma coisa que gera briga pra caramba! Mexeu com dinheiro, a galera pula! Na maioria das vezes, é porque a pessoa entende que a pensão que está sendo paga é para o(a) ex e não para os filhos. A pessoa esquece, sabe, que criança gera gastos! E gastos altos!
      Isso não quer dizer que você terá que dar todo seu salário como pensão alimentícia. Mas também não significa que, porque ganha pouco, não tem que dar nada! Nem oito, nem oitenta! O juiz irá avaliar seus rendimentos (e, mesmo que seu salário seja baixo, se sua forma de vida for de ostentação, a diferença será percebida, tenha certeza!). E, a partir deles, é que vai determinar o valor da pensão.
    A pensão é Direito dos filhos. Mesmo que o outro cônjuge seja milionário e não precise, é obrigação de ambos os pais contribuírem no sustento dos filhos. Cada um na sua proporção. É o que chamamos de binômio necessidade X necessidade. Se o outro não precisa, coloca numa poupança. É Direito dos filhos, ok?
    Por fim, preciso dizer que, como eu disse aí, não pense que as contas dos filhos serão divididas sempre em 50% pra cada um. Existe um binômio e ele é respeitado!!! Quem pode mais, paga mais. Quem pode menos, paga menos. Sempre observando as necessidades dos filhos.

8 - Havendo bens, como fica a partilha?

R = Isso depende do regime de bens que o casal adotou quando casou. Em regra, hoje, o regime é o de comunhão parcial de bens (todos os bens adquiridos durante a união é partilhado. Os bens anteriores não são divididos). 
      No entanto, o Código Civil prevê outras formas de regime de bens, que pode ser feito através de Pacto Pré-Nupcial, em cartório (comunhão universal de bens, separação total de bens e participação final dos aquestos).
    Lembrando que casamentos anteriores a 1977 era regidos, em regra, pela comunhão universal de bens. A separação total de bens é obrigatória quando um dos cônjuges for menor de 16 anos ou maior de 70 anos. Ah, e o regime de bens pode ser alterado após o casamento através de alvará judicial (e ambos os cônjuges devem concordar).

9 - Demora muito o processo de divórcio?

R = Sinceramente? Não há a menor possibilidade de se prever isso. Depende de muitos fatores: se é consensual ou não, se há partilha amigável ou não, se há guarda amigável ou não, os serventuários do cartório, o juiz.... Advogado bom não prevê tempo porque não depende apenas do trabalho dele.

10 - Meu(minha) ex sempre fala mal de mim para as crianças. O que faço?

R = Isso tem nome e se chama Alienação Parental. Atualmente, ela é um assunto muito comentado. Isso acontece quando um dos pais "treina" a criança com o objetivo de romper os laços afetivo entre eles ou mesmo impedir a própria visitação. 
     Pessoas, é Direito dos filhos conviver com ambos os pais e suas respectivas famílias. O cônjuge que comete Alienação Parental está prejudicando (e muito!) o desenvolvimento físico e psicológico das crianças. Está prejudicando o próprio filho (e, na maioria das vezes, faz isso por ter sentimentos ruins em relação a(ao) ex).  
    A Justiça tem sido muito dura com relação a isso! As penas variam desde acompanhamento psicológico, multa até a perda da guarda da criança aos pais que estiverem cometendo Alienação Parental!
   A Alienação Parental pode ser exercida das mais diversas formas: psicológica ou física (quando um dos pais afasta a criança do outro deliberadamente, ao seu bel-prazer). Isso é muito sério e prejudica demais as crianças!!!
  Eu tenho algumas apostilas sobre o assunto, se alguém quiser se informar melhor. E, sim, a solução, neste caso, é uma ação judicial - e qual ação será depende do nível da alienação que o menor estiver sofrendo.

Bom, Pessoas, é isso! Basicão mesmo!!!

Quer saber mais? Escreve um comentário, manda um e-mail, faz contato. Como eu disse, não fico chateada em responder perguntas pra ninguém!

Boa semana!




segunda-feira, 30 de maio de 2016

HISTÓRIAS DE ADOÇÃO!

Bom dia, Pessoas!

Sei que sumi... Acho que tem quase 01 mês que não dou as caras por aqui... Mas é que tenho feito muitas coisas e quase não tem sobrado tempo (nem pra mim, nem pra nada!). Muito trabalho, filhos, marido, amigos, irmãos, condomínio!! Vou parando aí porque a lista é longa...

Como eu disse, tenho tido muito pouco tempo para me curtir ou curtir coisas na TV que eu gosto de ver (a única coisa que eu me recuso a deixar de ver é minha novela "Os 10 Madamentos" - e isso porque não tem reprise porque, se tivesse, acho que eu acabaria vendo na 2ª chance). Enfim!

Há um tempo atrás eu vi um episódio de um programa do canal GNT acerca de ADOÇÃO. O nome do programa é "HISTÓRIAS DE ADOÇÃO". Veja descrição do 1º episódio: "Usando sua própria história como ponto de partida do programa, o diretor da série Roberto Berliner apresenta os personagens que serão os protagonistas dos próximos episódios. "A idéia é contar histórias, compartilhar memórias, experiências, alegrias, dificuldades e mostrar as muitas faces desse universo tão complexo e bonito que é a adoção”."

Fiquei extremamente interessada no programa, mas, nos horários que passam, estou sempre ocupada. Nunca consigo ver o programa na íntegra. Sempre pegava apenas uma parte... Bom, aí, semana passada, o rapaz veio instalar a net no quarto da Juju e me mostrou o tal do "NOW", da Net.... Guri, o mundo se abriu para mim!!! Rsrsrsrsrrsrs............ Descobri que posso ver TODOS os meus programas a hora que eu quiser e puder, além de pausar no momento que eu precisar! Pronto, meu mundo se abriu em sorrisos!!!

Quero ver todos os programas de culinária que eu não consigo ver durante a semana. Masssss.... Minha maratona de programas tinha que começar naquele programa que tanto me encantou. Até ontem, apenas 11 dos 13 episódios estavam disponíveis. Mas tenho que dizer: assisti todos!!!!

"No Brasil há cerca de 55 mil crianças e adolescentes morando em abrigos e precisando de acolhimento familiar. Do outro lado, 28 mil pais que desejam adotar um filho. Existem muitos mitos e tabus acerca da adoção que precisam ser pensados e discutidos.

Histórias de Adoção vai falar sobre o encontro mágico de pais e filhos. Uma emoção sem tamanho, um encontro histórico, de uma longa luta para se tornar pais, mães e filhos. E são nessas histórias que a série vai se aprofundar."

Essa é a descrição do programa.  

Quem me conhece sabe que eu sempre tive um grande sonho: o de adotar uma criança. Sempre fiz trabalho social, serviço voluntário e o trabalho com as crianças, a favor delas, sempre me encantou. A adoção, pra mim, é um gesto de amor, uma entrega... E eu sempre tive muita vontade de fazer parte disso. 

Tenho 02 filhos biológicos e 02 filhos do coração. Não! eu não tenho 04 filhos! Tenho 02 filhos: João e Júlia. Mas eles são meus filhos biológicos e filhos do coração. Sabe por qual motivo eu digo isso? Porque não acho que você é obrigado a amar seu filho apenas porque ele nasceu de você.Os filhos, biológicos ou não, também têm que ser filhos do coração. 

Que exemplos? As diversas mulheres que são "barrigas de aluguel" e conseguem entregar seus filhos sem sentir qualquer vínculo entre eles. As inúmeras mulheres que fazem aborto (e, algumas vezes, diversos abortos ao longo da vida) e não sentem qualquer vínculo entre ela e o bebê. As mães que optam por ter o filho mas o jogam no lixo, na vala e por aí vai... E as que tem filho e entregam pra adoção sem também sentir qualquer elo com o bebê. 

* Só uma coisa: não significa que não existam mulheres que se apeguem nos casos acima... Mas foi só pra exemplificar.

Portanto, não é porque há um bebê na barriga de uma mulher que ela naturalmente e imediatamente o ame. Ou mesmo que vá amá-lo ao longo da gravidez. Isso pode parecer impossível na sua cabeça (e na cabeça de muitas pessoas - principalmente mulheres que já sejam mães), mas acontece.

Enfim....

Filhos de adoção são filhos de coração TAMBÉM! São filhos que vêm do coração e da alma, como filhos biológicos. Acho que é por isso que, no mundo jurídico (do qual eu faço parte) não há qualquer diferença entre filhos biológicos e filhos de adoção - porque TODOS ELES SÃO FILHOS DO CORAÇÃO e não há diferença entre eles!

Pelo o menos, este é o meu entendimento.

Existem muitas crianças querendo e precisando ser adotadas. O perfil dos pais brasileiros é: bebês (de preferência recém-nascidos), de sexo feminino, cor branca e sem nenhuma anomalia. Acontece que estes casos são muito, mas muito difíceis. Se mudarmos para bebês negros, aumenta um pouco, mas ainda é pequeno.

Há muitas crianças com até 04 anos e outras maiores que precisam de amor tanto quanto os pequeninos. E, caso você não tenha condições de adotar mesmo, existem diversos programas governamentais de APADRINHAMENTO. 

Eu sei que a adoção no Brasil é difícil pelas vias jurídicas e que muitos fazem uma adoção não-legal. Como advogada, eu tenho que dizer que isso é crime, ok?! Se os "pais" forem pegos, além de perderem a guarda e o Poder Familiar, ainda podem ser presos. Lembrando que a situação pode ainda ser pior quando os pais adotivos "compram" o bebê dos pais biológicos. Isso pode ser considerado tráfico humano! Muito cuidado com isso!!!

Meu objetivo não é lhe convencer a adotar uma ou duas ou três ou quatro crianças! Ou mesmo apadrinhar uma destas muitas crianças que precisam de amor e carinho! Que querer também dar amor e carinho. Não, não é este o meu objetivo. Eu quero lhe convidar a ver o programa e ver como a vida de crianças e adolescentes podem mudar com a adoção! E como a vida dos pais adotivos mudam também! É muito amor envolvido, gente!!!!

Segue o link do programa (nele, os episódios podem ser vistos também!): http://gnt.globo.com/programas/historias-de-adocao/index.html

Uma bom dia!


terça-feira, 3 de maio de 2016

A IMAGEM NO ESPELHO...

Oi, Pessoas!

Hoje eu resolvi falar de algo bem sério... Pelo o menos, pra mim, é muito sério. Eu resolvi falar sobre a imagem que eu vejo no espelho quando estou de frente pra ele. Será que eu gosto do que eu vejo ali? E, se eu não gosto, o que eu faço?

Bom, primeiro de tudo, eu quero dizer que eu sempre fui cheinha. Nunca fui magra, nem usei roupas tamanho "P". Quando eu tinha 13 anos, eu tomei anfetamina, pra ficar magra. Não fiquei magricela. Fiquei com manequim 40 (mas o desejo era de chegar aos 36). Mas aí, com "corpão", sofri um abuso. E, na minha cabeça de adolescente, a culpa foi minha. A partir daí, comecei a engordar.

Bom, resumindo toda a história, já tive 153 Kg, já tive 80 Kg, já tive 100 Kg... Meu corpo virou uma grande sanfona... Engorda, emagrece, engorda, emagrece.... E, por muito tempo, eu detestei o que eu vi no espelho. Mesmo quando eu estava com o menor peso que tive, eu não gostava do que via no espelho... Mulher sempre vê defeito em si, não é mesmo?!

Então, de uns tempos pra cá, resolvi mudar isso!

Resolvi aceitar que não terei o corpo da Gisele Bündchen. Resolvi aceitar que tenho estria e celulite. Tenho os braços gordos. Rsrsrsrs... Tenho cabelo ondulado. Tenho um sorriso bonito. Sou alegre e divertida. Tenho uma boca linda. Tenho pés lindos também. Ah, e tenho que parar de roer as unhas! Ah, eu também gosto muito dos meus seios. Pois é! Tenho pontos positivos e negativos, como todo ser humano! Tenho qualidades e defeitos.

Sabe, vejo a grande maioria das mulheres insatisfeitas e buscando um milagre. Já fui desta forma! Faria qualquer coisa pra acordar com um corpinho manequim 40. Mas este tipo de milagre não rola, né?! Porque é pura vaidade. Então, a opção é cuidar e valorizar quem está diante de mim quando me olho no espelho.

Primeiro é preciso cuidar da saúde (física e mental). E, a partir daí, começar a traçar metas de se valorizar. Anda sem maquiagem, como eu? Comece com a meta de passar batom todos os dias no caminho pro trabalho - coloque o batom na bolsa. Durante 01 mês faça isso. Depois adicione rímel e pá, daqui a pouco, vira parte de você.

Anda com roupas mulambentas? Faça a meta de comprar uma peça de roupa nova por mês. A cada peça que comprar, elimine uma (doe pra quem precisa, se der pra usar, claro!). Lembre-se: não compre roupa com manequim inferior achando que, porque está de dieta, daqui um tempo, vai dar. Isso vai te arrasar com o tempo. Compre peças que valorizem seus pontos fortes.

Tire mais fotos de você e capriche no sorriso e na pose. Não, não precisa postar todas as fotos. Mas, tire fotos pra você e por você. Mude de batom e tire foto pra ver qual fica melhor. Enfim... Tudo será motivo pra você se ver e se admirar.

Por aqui, eu ainda estou na fase do batom.... Quero que você comece também e me diga o que mudou em 01 semana, 01 mês.... Conte-me tudo, ok?!

Uma beijoca da mamãe estonteante que estou me tornando!


sexta-feira, 22 de abril de 2016

FESTA DO MICKEY & DA MINNIE

Oi, Pessoas!

Então, como muitos sabem, João e Julia fazem aniversário em datas muito próximas - dia 10/04 e dia 20/04. Assim, decidimos que, este ano, a festinha seria junta (afinal, não dá pra bancar 02 festas grandes em datas tão próximas - fora que os amigos são os mesmos, pois praticamente não convidamos coleguinhas da escola).

Logo que pensamos em fazer uma festa dupla, tivemos que pensar no tema. Vários vieram à mente: João & Maria, Circo, Turma da Mônica, Disney, Toy Story, Super Homem e Mulher Maravilha, Batman e Batgirl... Optamos pelo Mickey e Minnie - sem o restante da turma.

Em Agosto do ano passado, começamos a buscar idéias pela internet para saber o que fazer. Porque iríamos fazer no play de uma amiga minha. Então, saímos buscando idéias de como decorar a mesa, o que faríamos para comer, o que serviríamos para beber... Enfim... Fornecedores e etc.

Bom, nisso surgiu uma excelente oportunidade de fazermos a festa em uma casa de festas. Fechamos com a casa, mas optamos por fazer a decoração provençal e com personalizados. Assim, continuamos a pesquisar, pois todas estas coisas, se mandássemos fazer, ia ser bem caro. Fizemos tudo nós mesmas: eu e minha irmã.

Os convites, nós buscamos o modelo na internet. Infelizmente, a tonta aqui não se lembrou de tirar fotos antes de enviar, portanto, só tenho foto do modelo do Mickey. O da Minnie é diferente apenas na parte de trás - não tem a roupinha do Mickey, apenas o laço entre as orelhas. Dá uma olha em como ficou:




Nós recortamos o rosto do Mickey/Minnie na cartolina preta. Fizemos a parte amarela  - frente, com os dados da festa em folha adesiva e recortamos. A parte de trás, no caso do Mickey, recortamos na cartolina vermelha. Comprei adesivos em formato de bolinhas na cor amarela e pintei as bolinhas pretas pra fazer os buracos, como se fossem botões. Nos convites da Minnie, recortamos laços em papel de scrap (vermelho com bolinhas brancas) e colamos entre as orelhas.

Segue a foto da mesa que montamos:


O que foi usado que é da casa de festas: o banquinho com o Mickey e Minnie (e as pelúcias deles) e os vasos ao lado dele. As mesas, o cabideiro, as bandejas brancas, amarelas e vermelhas com doces na laterais, bem como o suporte de cupcakes branco. Os bolos também são da casa de festa (falsos, tá?!). As bolas chinesas nós compramos no Mercadão de Madureira.

Vou postar uma foto da mesa principal de perto:


Vamos por partes:

A caneca do Mickey (á esquerda), as rosas e os porta-retratos são de acervo pessoal meu e de minha irmã. As letras JP e JU nós compramos em MDF e pintamos. Os bolos são da casa de festa, como já disse.

As caixinhas do Mickey e da Minnie nós compramos no Mercadão de Madureira - elas são vendidas com laços laterais, mas ficariam feias. Então, Lu teve a idéia de recortar e colar as laterais. Enchemos com muitas balas.

Os vasos pretos com rosas, o Mickey e a Minnie na frente dos bolos, os suportes amarelos com doces, os vasinhos vermelhos com matinho, a caneca da Minnie e as bandejinhas preta e vermelha nós alugamos (quem quiser saber o fornecedor, me manda um e-mail porque eu tenho que perguntar pra minha irmã - que fez o contato).

Os brigadeiros do Mickey estão em forminhas pretas - colei, em cada uma, adesivos em formato de bolinhas amarelo e fiz como no convite: pintei bolinhas pretas, para parecer botões. São os doces da bandeja vermelha à esquerda. Fiz brigadeiros tradicionais. Os docinhos da direita, em forminhas da Minnie, são brigadeiros brancos enrolados em granulado vermelho (também feitos por mim). As forminhas foram compradas em papelaria. (estão bem detalhados abaixo)

Os docinhos do suporte amarelo e os 03 laterais da mesa, bem como os que estão dentro das canecas também foram feitos por mim e colocados em forminhas em formato de flor (também comprados em papelaria).

Os potinhos de jujuba são potinhos da papinha da Nestlé. A tampa nós fizemos com EVA. Colamos com cola quente (tem que colar a parte de cima e colar as laterais. Se colar só as laterais, não vai conseguir!!! Jujubas compradas no Mercadão também. Na tampa, em cima do EVA, colamos: nas do Mickey (tampa com EVA vermelha), o rosto do Mickey. Nas da Minnie (tampa com EVA preta), colamos o laço da Minnie. Foram impressos em folha mais grossa e recortamos um a um.




Tem uns potinhos pretos e vermelhos em formato do rosto do Mickey. Nos pretos, fizemos adesivos com o nome do João e nos vermelhos, fizemos adesivos com o nome da Juju. Fizemos tudo no paint e imprimimos em folha adesivo. Recortamos e colamos. Estavam repletos de bala também.

Os brownies (chocolate com gotas de chocolate branco) foram feitos pelo "Brownie da Dan" - Tel: (21) 98150-1899. O nome da fabricante é Danusa. Fizeram um mega sucesso e estava MUITO bom!!!

Vamos pra mesa lateral da esquerda:


As bandejas e o suporte dos cupackes são da casa de festas. Os doces foram feitos por mim: brigadeiros tradicionais no Mickey e brigadeiro branco com granulado vermelho nas forminhas da Minnie (detalhados abaixo). Também colocamos os doces em forminhas em formato de flor.

Os cupcakes foram feitos por mim: baunilha com recheio e cobertura de brigadeiro, com granulado vermelho em cima. Os wrappers eu comprei no Aliexpress e chegaram em tempo record: 01 mês. Tinha o topper, mas optamos por não usar.



Os tubetes fizemos assim: Nos de tampa preta, colamos uma fita preta e, em cima, colocamos uma figurinha que lembrasse o Mickey (imprimimos em uma folha mais resistente e colamos com fita dupla face). Nos da Minnie, com tampa vermelha, fizemos a mesma coisa com fita vermelha e figurinhas que lembrassem a Minnie. Os doces do Mickey são amarelos e os da Minnie, vermelho.


Vamos pra mesa lateral da direita:


Todos os itens desta mesa já foram descritos acima. As bolas chinesas, como eu disse, compramos no Mercadão de Madureira.

Vamos aos centros de mesas dos convidados:


Tivemos balões da Minnie, do Mickey e em formato de estrela. Todos foram presentes da minha amiga-irmã, Priscila, como presente para as crianças. Ela comprou no Mercadão de Madureira tudo: cachepós, doces que estão dentro, saquinhos e balões. Vale lembrar que, na loja que ela comprou no Mercadão, eles encheram as bolas e selaram, dando garantia que eles ficariam cheios por, mais ou menos 06 meses. Ou seja, se esvaziasse antes da festa, era só levar a notinha que eles fariam a reposição. Muito legal, né?! Foram feitos no Sábado anterior à festa e, no dia, estavam prefeitos! O trabalho também foi todo dela: ela e o esposo que montaram tudo.

Por fim, vamos às lembrancinhas.... Só pra constar: Diferentemente da maioria das pessoas que fazem milhares de lembrancinhas, optei por fazer apenas 01 lembrancinha e apenas para as crianças. Portanto, depois do Parabéns, todos tiveram acesso a todos os doces da mesa. Os convidados podiam pegar o que quisessem de doce, sem problemas e sem constrangimentos. Mas, as lembrancinhas ficaram restritas às crianças.

Vale lembrar que os convidados das festinhas de aniversário tem que entender que eles vão ao evento para prestigiar o aniversariante e os pais, não para saírem cheios de lembranças e mimos. Aliás, mimos e lembranças que, muitas vezes (mas muitas vezes MESMO!) vão parar no lixo!

O que eu fiz: mandei fazer mochilinhas no tema - Mickey e Minnie. Pedi que não houvesse qualquer nome na estampa. Isso porque, muitas pessoas, quando têm o nome do aniversariante, não usa a mochilinha ou bolsinha. Isso quando não jogam fora (e já ouvi isso de algumas mães). Então, pedi que não houvesse qualquer nome escrito na estampa.

Fornecedor no site da elo7: "SUA CARA ESTAMPARIA LOJA2" (Itapecerica da Serra, SP). Gente, são ótimos fornecedores. Tudo chegou no tempo certo e todas perfeitinhas, com saquinhos para embalar uma a uma (que eu não usei). Super recomendo!


Dentro da mochilinhas, fizemos estojinhos de pintura e colocamos alguns desenhos para as crianças pintarem. Os desenhos, nós imprimimos. Os estojinhos eu mandei fazer no fornecedor que informo abaixo. Vale lembrar que, nos estojos, como eu sei que as crianças vão usar e depois jogar fora, eu personalizei com o nome das crianças.

Fornecedor no site da elo7: "CINTHIA LEMBRANÇAS" (Vila Velhas, ES). Outro fornecedor MARAVILHOSO. Chegou tudo no tempo certo, perfeito, embalado um a um, tudo bonitinho. Fiquei maravilhada!!



A casa de festas foi a "Ki Auê Kids". O endereço está aí em cima, no convite. Super recomendo! Os salgados foram servidos quentinhos, refri e cerveja geladinhos, excelente atendimento de todos os funcionários (atenciosos e prestativos), animador super legal. Ou seja, adoramos o serviço e recomendamos a todos!

Agora, o mais legal foi ver o quanto minha princesa curtiu e amou a festa! João ainda não curte estas coisas - aliás, ele odeia sair da rotina e, como não tirou a soneca da tarde, ficou enjoadinho a festa toda! Adorei rever amigos queridos que não via há um bom tempo, estar com pessoas que amamos e ver que, mesmo não estando juntos sempre, quando estamos juntos, parece que o tempo não passou!

Ver o carinho das pessoas que foram lá, em pleno feriado, prestigiar meus filhos e estar conosco foi algo que não tem preço. Agradeço a cada um que foi porque todos foram convidados com muito amor e carinho.

Bom final de semana!